Caminhos e Portas Klédison Ramos

Caminhos e Portas

Um caminho pode ser só um caminho. Mas, um caminho também pode ser o ponto de partida para extrema mudanças. Depende muito do enfoque que se dá a ele.
Uma porta pode ser só uma porta. Mas, uma porta pode ser o prenúncio da entrada ou saída de coisas boas ou ruins. Depende de como se olha para ela.
Escolha seu caminho e arrisque. Escolha sua porta e entre por ela.
Sobre o caminho.
Pode ser penoso percorrê-lo e dá um medo danado quando vai se chegando ao final. Não devia dar medo.
O fim nada mais é do que um começo modificado. Uma oportunidade única de recomeçar, um ponto de partida para novos erros e novos acertos.
Ao final do caminho tem novos caminhos, novos horizontes.
Existe a grande vantagem da experiência do que passou. Pode-se escolher, até, voltar pelo mesmo caminho, procurar quem ficou pra trás e pedir perdão. Refazer o mesmo trajeto, agora, muito melhor, e se orgulhar do que um dia, te envergonhou. Pode-se também ter a certeza, mais que absoluta, de que o caminho percorrido é o que você jamais quer voltar. Nesse caso, o jeito é desbravar os novos caminhos, abrindo as clareiras do denso desconhecido e fazendo novas descobertas.
Já, sobre a porta!?
Se ela estiver fechada, porque não arrombar? Usar todo empenho que não teve na vida inteira para abrir caminho forçosamente para a felicidade.
Mas, se ela estiver aberta, encare como um bem-vindo. Adentre, como ela sempre te pertencesse. Não peça licença. Se apodere do seu espaço, do espaço que você sempre quis.
Se quiser ficar parado e optar pela inércia, frente a quaisquer uma dessas imagens, a escolha é toda sua. Cada um sabe de si e a melhor forma de se guardar é não arriscar. Não será julgado por isso e, se for, apenas releve.
As escolhas não são obrigatórias.
Liberdade, até para decidir não se decidir.
Todos são dignos de felicidade e boa sorte, independente das escolhas.
 
Voltar ao Topo

COMPARTILHAR