Hartung viaja para Paris após STJ anunciar possível prisão de envolvidos na Lava Jato Hartung viaja para Paris após STJ anunciar possível prisão de envolvidos na Lava Jato
Na semana em que a Procuradoria-Geral da República (PGR) anunciou que irá enviar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) os pedidos de abertura de inquérito, com possibilidade de prisão preventiva dos governadores delatados na Lava Jato, Paulo Hartung, governador do Espírito Santo, um dos citados nas delações, pediu licença de seu cargo e foi visto embarcando para Paris.
 
Segundo o ex-presidente da Construtora Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva, o baianinho, apelido de Hartung nas delações, recebeu R$ 1 milhão de reais da empreiteira durante as campanhas eleitorais de 2010 e 2012 para contribuir com os seus aliados políticos.
 
Justificando afastamento para tratamento médico, Hartung passou o cargo para o vice Cesar Colnago na última terça-feira (16) que foi à Assembleia logo na quarta-feira para prestar contas.
 
Ato que deveria ter sido realizado pelo governador até dia 30 de abril, mas parece que a saída às pressas do país era mais importante.
 
No entanto, apesar de justificar o afastamento por motivos de saúde, conforme noticiado por A Gazeta, o governador Paulo Hartung (PMDB) e sua mulher, Cristina Gomes, embarcaram, na última terça-feira, para a Europa.
 
De acordo com a publicação, um “leitor viu Paulo Hartung e sua mulher, Cristina, na última terça-feira, no voo (classe executiva) da Latam JJ 8108 de Guarulhos (SP) com destino a Paris”.
 
Informação que não foi desmentida pela assessoria de comunicação do governo, que se limitou a dizer que “O governador não costuma divulgar para onde vai quando está licenciado. Não sei realmente onde ele está”.
 
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, junto com os pedidos de abertura de inquérito serão solicitadas diligências a serem executadas pela Polícia Federal.
 
A Folha ouviu ainda magistrados do STJ que relataram ao jornal que podem ocorrer, ao longo da investigação, até mesmo pedidos de prisão temporária ou de suspensão de mandatos envolvendo os governadores citados, isso porque a Constituição não exige que eles sejam detidos em flagrante, como é estabelecido para parlamentares, para que possam ser presos.
 
Os pedidos de abertura de inquérito enviados pela PGR ao STJ serão acompanhados da solicitação de diligências, quebras de sigilo e oitivas dos investigados e testemunhas.
 
Além de Hartung, foram denunciados os governadores Beto Richa (PSDB-PR), Luiz Fernando Pezão (PMDB-RJ), Fernando Pimentel (PT-MG), Flávio Dino (PC do B-MA), Geraldo Alckmin (PSDB-SP), Marcelo Miranda (PMDB-TO), Raimundo Colombo (PSD-SC) e Marconi Perillo (PSDB-GO).
 
Segundo a Folha de S. Paulo, os ministros do STJ aguardam a lista desde a semana passada, quando foram avisados que ela estava sendo finalizada. A tramitação dos processos avançou depois que o tribunal entendeu que não é necessária a permissão das Assembleias Legislativas para abrir investigação envolvendo governadores.
 
O Sindipúblicos avalia que políticos que se dizem sérios não poderiam deixar o país em plena fase de investigação e em momentos antes do pronunciamento do STJ sobre possíveis mandatos de prisão. Pedir licença pra tratamento de saúde e viajar para o exterior às pressas é no mínimo imprudente e faz com que muitas suspeitas surjam.
 
Com informações de Século Diário, A Gazeta e Folha de S.Paulo.

 

Voltar ao Topo

COMPARTILHAR