Violência contra a mulher é tema de evento em Cachoeiro Violência contra a mulher é tema de evento em Cachoeiro

Promovido nesta terça-feira (12) em Cachoeiro de Itapemirim, no ginásio do distrito de Itaoca Pedra, o evento Vem Viver Mulher reuniu em sua solenidade de abertura, pela manhã, diversas autoridades estaduais e municipais, além de lideranças comunitárias da região e, ainda, representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e da Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares do ES (Fetaes).

Direcionado à população feminina que vive no campo, o evento foi organizado pelas secretarias municipais de Desenvolvimento Social (Semdes) e de Saúde (Semus), em parceria com a Secretaria de Estado de Direitos Humanos (SEDH).

"Precisamos de políticas para o público feminino? Sim. Mas, acima de tudo, precisamos de justiça mais severa para os agressores. As medidas punitivas devem ser cumpridas à risca. Essa luta contra a violência às mulheres tem de ser de cada um de nós. Não podemos nos omitir", ressaltou o prefeito Victor Coelho, ao adiantar que uma das propostas da prefeitura, para reforçar o atendimento a essa demanda, é a criação do Centro de Referência da Mulher.

Também convidada para o evento, a presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher (Cedimes), Edna Calabrez, disse que estará à disposição do município para apoiá-lo em ações com foco na defesa da população feminina local.

"A violência contra a mulher é reforçada cotidianamente por um sistema patriarcal. Para se ter uma ideia, só a partir da década de 1980 é que começou a se pensar em políticas públicas para o nosso gênero. Precisamos combater tanto as agressões domésticas, quanto as institucionais. É uma tarefa difícil, mas não impossível", salientou Edna.

Já a subsecretária de Estado de Políticas para as Mulheres, Helena Pacheco, aproveitou para elogiar Cachoeiro pela organização do evento. "Infelizmente, sabemos que a violência contra o público feminino é um fenômeno enraizado em nossa sociedade. Por isso, entendemos a importância de fomentar essa discussão em todas as ocasiões possíveis", acrescentou ela.

"A mulher precisa estar bem em todos os aspectos. Para isso, o Centro de Referência Especializado de Assistência Social, o Creas, está de portas abertas, todos os dias, para atender às vítimas de violência masculina. Não devemos admitir esses casos. Até porque omissão também é crime. Se nos calamos diante dessas situações, aumenta-se o índice de homicídios do tipo. Nós temos, sim, de meter a colher, ofertando às mulheres uma política digna", frisou Márcia Bezerra, secretária municipal de Desenvolvimento Social.

A programação incluiu, ainda, contação de histórias, rodas de conversa, minicursos, apresentações culturais de teatro e de música, multivacinação de adultos e crianças e confecção do cartão do Sistema Único de Saúde (SUS).

Além disso, o evento contou com uma unidade móvel de atendimento à mulher, com profissionais das áreas de serviço social, psicologia, jurídica e segurança pública. O ônibus foi desenvolvido pela SEDH e pelo Fórum Estadual Permanente de Enfrentamento da Violência contra as Mulheres do Campo.

Voltar ao Topo

COMPARTILHAR